Criar é conectar – como ter mais criatividade na sua vida?

“Você não consegue conectar os fatos olhando para frente. Você só conecta quando olha para trás. Então tem de acreditar que, de alguma forma, eles vão se conectar no futuro. Você tem de acreditar em alguma coisa – sua garra, destino, vida, carma ou o que quer que seja. Essa maneira de encarar a vida nunca me decepcionou e tem feito toda a diferença para mim”. A frase é de Steve Jobs, criador da gigante Apple, e foi dita diante da turma de formandos de 2005 em Stanford, nos Estados Unidos.
Jobs contou que cursava uma faculdade que custava mensalidades altas para seus pais. E, então, decidiu abandoná-la por não ver mais valor nos estudos. Passou a fazer um curso de caligrafia, com o qual aprendeu sobre fontes com e sem serifas, espaços entre palavras e letras, como tornar uma tipografia boa. E isso foi fundamental para diferenciar sua grande criação, dez anos mais tarde. “Colocamos tudo aquilo no Mac. Foi o primeiro computador com tipografia bonita. Tudo ficou muito claro olhando dez anos para trás”.

 

A célebre frase de Jobs, “criar é conectar”, demonstra que é preciso conectar passado com futuro, aquilo que já existe com o que pode ser criado e, mais que isso, conectar as criações com os desejos e necessidades de quem vai usá-las. Eis uma lição importante sobre o processo criativo, em um mundo onde produtos são inventados e reinventados em velocidade frenética. Criar é sobretudo conectar pessoas com soluções ágeis, criativas e inovadoras.

A história acima e diversas pesquisas demonstram que não se cria a partir do nada. O ato de criar enseja a formação de um repertório de conhecimentos que, quando são conectados, formam o ato de “Eureka”, até porque não há no cérebro um centro de inteligência – ela é processada pelo cérebro como um todo. A ideia de que a maçã caiu na cabeça de Newton, do nada, e este então descobriu a lei da gravidade é caricata. Havia anos que o cientista procurava respostas para esta questão.

Criar é, antes de tudo, entender a realidade e saber transformá-la. Grandes ideias não são fruto de um processo repentino, tampouco fácil.

Tudo começa no cérebro, essa genial máquina que concentra 100 bilhões de neurônios capazes de fazer um trilhão de conexões. “O sujeito criativo é aquele capaz de transitar com facilidade por todos os padrões cerebrais”, explica Shelley Carson, professora de psicologia da Universidade de Harvard, nos EUA. Para tanto, é preciso exercitar o cérebro, saindo da chamada zona de conforto. E isso significa exercitar a capacidade de questionar e interagir.

Estamos vivendo tempos onde a criatividade será cada vez mais necessária se quisermos encontrar novas soluções para antigos problemas. As melhores maneiras de lidar com crises é, justamente, criando novas oportunidades a partir delas.

Seguem algumas dicas que podem ajudar:

Realize atividades neuróbicas. O simples ato de vestir-se em ordem diferente do habitual já “provoca” a mente e a exercita. No lugar de colocar as meias em primeiro lugar, experimente colocar a camisa antes, por exemplo. Ou comer em novos lugares no almoço. Experimente escovar os dentes com a outra mão. Tudo isso, que pode parecer simples, traz ao cérebro um importante alimento: a novidade. Diante dela a mente secreta doses mais elevadas de adrenalina e isso conecta melhor nossas células cerebrais.

Aumente sua bagagem de conhecimentos. Isso quer dizer dedicar tempo para estudar, para ler livros sobre sua área de atividade, para frequentar cursos e palestras e também para pesquisar como outras pessoas trabalham – afinal, podemos aprender muito com as experiências alheias.

Faça um banco de erros, anotando os eventuais tropeços. Saber o que não fazer evita a repetição de padrões disfuncionais e gasto desnecessário de energia.

Treine a cabeça. Passatempos mentais como jogar xadrez, fazer palavras cruzadas e até mesmo usar aplicativos que propõe exercícios para a mente podem ser uma maneira divertida de “treinar” o cérebro por alguns minutos diários, auxiliando na memória, no foco, na capacidade de resolução de problemas lógicos e matemáticos e, portanto, impactando diretamente na criatividade.

Estude outros temas, além daqueles ligados diretamente à sua área de trabalho. Ao usar novas conexões para processar, por exemplo, um livro de romance, sua mente precisa criar novas conexões e isso é usado para encontrar as soluções para desafios que estavam “travados”. Com alguma frequência, profissionais brilhantes são profundos conhecedores de sua área de atuação e também mantém acesos outros interesses, o que proporciona ao cérebro um funcionamento muito mais ampliado e sinérgico.

O ócio também é importante. Descansar, ler, meditar, também são formas de “tirar o cérebro do automatismo”. Pausas são fundamentais para que esse órgão tão especial continue funcionando bem, com energia. Dormir bem também ajuda na “faxina mental” noturna, portanto não trate os momentos de descanso com descaso.

Todos podemos (e devemos) exercitar nossas mentes para nos tornarmos mais criativos. O importante é saber que ser criativo é algo possível de ser conquistado. Mais do que estudar, para criar é preciso se abrir e se entregar. Abrir a mente, abrir as ideias, abrir espaço na agenda para novos hábitos. Faça como Newton: estude, estude, estude e aprenda a importante arte de abrir a mente para o novo. Quem sabe novas maçãs do conhecimento não podem cair sobre a sua cabeça?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s